Homera Cristalli
Jornalista e publicitária, Homera nasceu em Roma, morou no Brasil e voltou a viver na capital italiana em 2002. "Direto de Roma" relata o dia-a-dia da cidade após a morte de João Paulo 2º

ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Morte do papa
Veja página especial com textos e fotos sobre João Paulo 2º



Histórico
 01/05/2005 a 07/05/2005
 24/04/2005 a 30/04/2005
 17/04/2005 a 23/04/2005
 10/04/2005 a 16/04/2005
 03/04/2005 a 09/04/2005


Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 Especial: Morte do papa
 UOL Últimas Notícias
 UOL Blog
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis


 
Direto de Roma
 

Arrivederci

Pois é. Neste fim de semana faz um mês desde os funerais de João Paulo II. O assunto “Papa” já abandonou as manchetes tanto na Itália como no Brasil, e isso quer dizer que “Direto de Roma”, o blog especial sobre a cidade da sucessão papal, termina aqui.
Durante quatro semanas, resisti bravamente à tentação de me perder em opiniões pessoais e reflexões trascendentais sobre a morte da bezerra ou sobre a complicada relação que tenho com minha lambreta (se voce não comprar uma eles tiram a sua cidadania italiana – brincadeirinha).
Para mim, escrever um blog não era novidade. Já tive um, pessoal, no qual estava acostumada a escrever para gente que me conhece e, de preferência, gosta de mim. Sendo minha primeira vez com blog público, nunca pensei que ele teria sido tão acessado e comentado. Nem que eu mesma teria gostado tanto.
Por isso quero agradecer a todos os que leram, voltaram a ler, deram sugestões, corrigiram meu português, me elogiaram, e também aos que me xingaram com criatividade. A quem me xingou sem nem sequer se esforçar, deixo apenas meu "humpf".
E vocês, bando de voyeurs que querem continuar sabendo o que acontece em Roma, muito além da religião, passem lá no Feito num dia [http://feitonumdia.zip.net], meu novo blog. Ciao cari!


Escrito por Homera Cristalli às 14h15
[ ] [ envie esta mensagem ]



Pecado de gula

Desde que voltou a fazer calor, não consigo parar de tomar sorvete.



Muitos brasileiros se decepcionam com a pizza italiana, porque ela é meio minimalista, completamente diferente do estilo “quanto mais de tudo, melhor” que vige no Brasil. Mas ninguém em sã consciência pode se decepcionar com o sorvete.
Ultra-cremoso, saboroso, e em quantidades generosas. Se passar por aqui, não apele para un cornetto industrializado qualquer, procure os estabelecimentos que anunciam “gelato artigianale”, artesanal, que é o melhor.
E peça “con panna”. Sua casquinha vai ganhar uma bela porção de chantilly por cima, de graça.


Escrito por Homera Cristalli às 13h34
[ ] [ envie esta mensagem ]



Miados romanos

Então menina. Você chegou em Roma há pouco tempo, e quer saber onde encontrar os famosos gatos italianos. Se você faz questão que eles sejam humanos, bem... dê uma volta, entre num bar, enfim, se vire. Quanto aos gatos de quatro patas, vá para a praça Argentina e vai ter todos os que quiser.



Ali é o santuário oficial dos felinos.



Em outros pontos turísticos voce também pode dar de cara com bandos de felpudos, pois o que mais tem nessa cidade é gato de rua. Não se preocupe, eles passam bem, pois sempre podem contar com alguma gattara, que é como os italianos chamam aquelas senhoras loucas por animais que tomam conta dos bichanos.



Tem até feira beneficiente em prol dos gatinhos.


Escrito por Homera Cristalli às 11h10
[ ] [ envie esta mensagem ]



Ah, a primavera

O novo Papa conservador pode dar todos os sermões que quiser, mas com a chegada do calor chega também a estação do acasalamento e aí, já viu… A partir desta época do ano a escadaria de Piazza de Spagna volta a ficar lotada de turistas – e italianos querendo chamar a atenção dos/das turistas.




Como a moçoila desinibida acima.



Este é um classico lugar de “pegação”. Como já falei num post anterior, os italianos não costumam ficar logo em seguida com alguém que recém foi apresentado. Então é aqui que se põe em pratica o famoso “se conhecer melhor”. Sabe como é, uma conversinha, mais tarde uma cerveja… e você não vai estar mais beijando um desconhecido.


Escrito por Homera Cristalli às 12h40
[ ] [ envie esta mensagem ]



Boletim de domingo

Hoje fui dar uma voltinha pelo centro para ver se encontrava alguma peça de merchandising papal que chamasse minha atenção. Na verdade me decepcionei um pouco. Benedetto XVI ainda comparece muito pouco e, segundo o vendedor de camisetas, a imagem dele não é muito procurada pelos turistas.





O que sai mesmo, ainda, é tudo o que diz respeito ao “papa velho”, como o camelô chamou, Karol Wojtyla.
Mas também tem quem não quer nem ouvir falar em padres, nem velhos nem novos. Como os anônimos autores desta pichação: mais casas, menos igrejas.



Na Europa, na Itália pelo menos, comprar uma casa própria também é uma bela dor de cabeça.
E enfim… bem, ontem uma amiga minha estava organizando um festival com bandas punks bem barulhentas barulhentas (ou vocês achavam que em Roma só tocava canto gregoriano?). Nesta aqui, a Operation S, o engraçadinho do guitarrista resolveu tocar fantasiado – muito toscamente por sinal – de Santo Padre.



Olha que Deus castiga…


Escrito por Homera Cristalli às 17h29
[ ] [ envie esta mensagem ]



A casa dos fins de semana

O Papa nunca sai realmente de férias, afinal o chefe dele está sempre de olho. Mas pode tirar uns dias para descansar e refletir longe da confusão da cidade. A residência de verão dos papas é aqui, na cidadezinha de Castel Gandolfo, a meia hora de Roma.





A filial vaticana tem vista para o lago e observatório particular – as cúpulas prateadas da foto.



Um pouco mais de perto.

Em volta do lago está cheio de restaurantes de comida bem simples e barata, onde os romanos vêm almoçar no domingo.



Aqui, você dificilmente vai encontrar o Papa, mas pagando cerca de dez euros por pessoa você come, até dizer chega, queijos, frios e verdurinhas refogadas, tomando um vinhozinho da região. Com o incremento do turismo papal, Castel Gandolfo vem recebendo também a visita de varios ônibus cheios de americanos e alemães.


Escrito por Homera Cristalli às 14h15
[ ] [ envie esta mensagem ]



Assuntos sérios

Muita gente pergunta como é que o pais que hospeda o Vaticano lida com assuntos polêmicos em relação à moral católica, como a união entre pessoas do mesmo sexo, o aborto voluntário e as drogas.
Bem, neste sentido a Itália é bem contraditória. Super liberal com algumas questões e absolutamente fechada quanto a outras.
Aborto – a interrupção da gravidez é permitida por lei desde os anos 70, quando foi aprovada através de um plebiscito. Não somente em caso de estupro, mas em qualquer caso em que a gravidez – textualmente – “ameaçar as condições de saúde física ou psicológica, sociais ou familiares da mulher, ou ainda em caso de mal-formação do feto”. Os médicos católicos têm direito de se recusar a realizar a operação.
Uniões gays – não apenas o casamento entre pessoas do mesmo sexo nao é reconhecido, como nem sequer o concubinato heterossexual. Não casou no papel, não vale.
Drogas leves – até agora a Itália havia sido bem liberal, se comparada com muitos outros países, pois permitia o porte de uma certa quantidade de droga para consumo pessoal. Com a nova lei, que está para ser aprovada, essa quantidade permitida ainda vai existir, mas muito reduzida. E principalmente vai ser igualado, em nível judicial, o porte de drogas pesadas ou leves.
Trocado em miúdos, pode carregar um baseado. Carregou dois, é como se fosse heroína.
Por outro lado, existem os smart shops, lojas que vendem raízes, ervas e demais substâncias mais ou menos capazes de alterar os estados mentais, porém completamente legais.
 
A pesquisa sobre células-tronco é um capítulo a parte. A discussão mais acalorada do momento vai ser resolvida nas urnas, dias 12 e 13 de junho deste ano. A influência que a eleição de Ratzinger pode vir a excercer sobre os resultados ainda é, obviamente, uma incógnita.


Escrito por Homera Cristalli às 17h10
[ ] [ envie esta mensagem ]



Mais merchandising

Que tipo de pessoa pagaria um milhão de euros por um Wolkswagen Golf usado?
A notícia teve ter saído na imprensa brasileira, também, mas nao posso deixar de comentar. Tem gente se dizendo disposta a pagar até mais que isso pelo carro que o cardeal Ratzinger, hoje Bento XVI, possuía antes de ser Papa.
Para quem não viu, o automóvel está sendo atualmente leiloado no Ebay (a página está em alemão) pelo proprietário atual, um senhor chamado Reimund Halbe, e vem com documentos que provam a identidade do antigo dono. O preço inicial era de 9.999 euros, que de qualquer forma seriam demais para um carro de 1999. Mas, o comprador vai fazer o quê com ele? Vai trancar na garagem como se fosse uma Ferrari ou vai deixar os amigos darem uma voltinha para ver se acham o caminho da salvação? Será que vem com aparelho de som? Nesse caso, o ultraje maior seria usá-lo para tocar rock, que o Papa desaprova. A gente morre e não vê tudo.


Escrito por Homera Cristalli às 06h47
[ ] [ envie esta mensagem ]



Desta para melhor

Eu não sou gótica, mas adoro cemitérios. No bairro Testaccio, perto de onde eu trabalho, está o cemitério dos não-católicos, que muita gente chama de Cemitério dos Ingleses, devido à nacionalidade de boa parte dos ocupantes.

Na verdade, na época em que ele foi construído, o terreno estava além da muralha que delimitava a cidade e portanto não fazia parte de Roma. Segundo a legislação do Vaticano quem não professasse a religião católica não podia ser enterrado numa igreja nem em solo bento, portanto o cemitério dos “outros” devia ficar do lado de fora.
Protestantes, cristãos ortodoxos, anglicanos e também muitos ateus e agnósticos preferiram deixar aqui seu restos mortais.

Aqui não tem nada de macabro, pelo contrário. O poeta inglês Percy Shelley disse uma vez que a beleza deste lugar o fazia desejar a morte. E efetivamente, quando Shelley morreu afogado com apenas trinta anos, seu amigo Lord Byron fez com que fosse sepultado aqui.

A frase na lápide é um verso da Tempestade, de Shakespeare: nothing of him that doth fade, but doth suffer a sea-change, into something rich and strange.
A maioria dos que aqui jazem é formada por artistas – como outro importante poeta inglês, John Keats - cientistas, filósofos – como o italiano Antonio Gramsci – e alguns nobres russos. Pessoas que tivessem se encontrado ainda vivas teriam, provavelmente, acabado por estabalecer algumas conversas interessantes. Definitivamente, um lugar chique onde passar a eternidade.


Escrito por Homera Cristalli às 10h21
[ ] [ envie esta mensagem ]



O Papa é top

Nunca vamos saber o que João Paulo II teria achado sobre o fato de virar astro de um álbum de figurinhas, mas à atenção das massas ele estava acostumado. Não somente dos fiéis. Sentia-se à vontade tanto no papel de religioso quanto no de comunicador, e mesmo no de pura e simples celebridade. Estamos falando do homem que fez questão de experimentar os óculos de Bono Vox, quando o vocalista do U2 esteve no Vaticano, ganhando do irlandês no seu próprio jogo.
E agora que ele se foi (o Papa, não Bono), revela-se mais uma faceta de sua pessoa pública: a de escritor de best-sellers. Dos dez livros mais vendidos hoje na Itália, três são de autoria de Karol Wojtyla. Memória e identidade, a autobiografia Levantai-vos, vamos! e Abram seus corações estão respectivamente no 2°, 6° e 8° lugar do ranking.


Melhor que Dan Brown, que comparece com somente duas publicações.



Ah, e adivinhem quem está no topo da lista? Ele mesmo, o meu, o seu, o nosso Paulo Coelho, com O Zahir.


Escrito por Homera Cristalli às 11h09
[ ] [ envie esta mensagem ]



Saudades da rotina

Os cartazes em homenagem ao papa que se foi, e os de boas-vindas ao recém nomeado, já começam a ficar datados. Rasgados, puídos...

Sim, além de cartazes e igrejas, tem MUITA lambreta em Roma.

A cidade está iniciando a aceitar a presença desse “estranho no ninho” que entrou no lugar do velho conhecido Karol Wojtyla, e os romanos definivamente nao veêm a hora que o mundo mude de assunto para voltar a sentir o Papa como “seu”. Eles são assim mesmo, meio blasé. Fingem que não gostam de atenção.
Na verdade até o final deste ano está prevista a chegada ininterrupta de peregrinos, tanto para saudar Ratzinger quanto para visitar a tumba do falecido, e de turistas que esperaram passar a hora do rush que foi este último mês, para visitar a cidade mais falada do momento. Espera-se que pelo menos venham aos poucos.


Escrito por Homera Cristalli às 16h14
[ ] [ envie esta mensagem ]



Era só o que faltava?

Uma editora de Modena, no norte da Itália, acaba de lançar “L’album di Karol”, um álbum com 400 figurinhas dedicado a João Paulo II. Por enquanto o produto está sendo distribuído somente nas bancas das regiões próximas a Modena - portanto ainda não tive o prazer de colocar minhas maõs sobre esta relíquia - mas em breve vai estar nas bancas de todo o país, graças a um contrato exclusivo com o Vaticano. Deixo aqui o link para a Prominter Entertainment, responsável pelo feito.
O álbum custa 2,95 euros e cada pacote com seis figurinhas, 50 centavos.

Escrito por Homera Cristalli às 10h50
[ ] [ envie esta mensagem ]



Roma kosher

Na capital do Cristianismo, a comunidade judaica se esforça para preservar sua identidade e suas raízes históricas, mantendo com a Igreja católica relações amigáveis mas também uma certa distância. Atrás da Sinagoga maior, fica o Ghetto, o antigo gueto, hoje um dos bairros mais charmosos de Roma. Não se deixem enganar pelo aspecto externo dos edifícios, o metro quadrado aqui vale ouro.

A sinagoga é vigiada dia e noite pela polícia. A proteção foi reivindicada pelos moradores devido ao risco de atentados.E já mantém afastados os skinheads, que picham frases racistas.



Bares, restaurantes e lojinhas deixam as ruelas com jeito de cidade pequena.

Quem vier visitar o Ghetto e ficar para almoçar, não pode deixar de experimentar o carciofo alla giudia, alcachofra à judia. O curioso vegetal passa por uma fritura dupla com bastante azeite de oliva. Fica uma delícia e deve ter um milhão de calorias.


Escrito por Homera Cristalli às 11h19
[ ] [ envie esta mensagem ]



Passinho à frente, por favor

Por falar em transporte público, e já que alguém perguntou sobre isso num comentário, a passagem unificada da A.T.A.C ainda é uma das mais baratas da Europa e custa um euro.


Ela vale tanto para ônibus quanto para bonde e metrô e você deve comprá-la antes de subir na condução. Uma vez a bordo, deve introduzi-la na máquina que vai carimbá-la indicando a hora em que você subiu. A partir daí, vale por 75 minutos. Nesse intervalo de tempo você pode pegar quantos ônibus quiser, mas apenas um metrô. Bagunçado, né?
Curioso é que não existem cobradores. Existem fiscais que podem ou não subir no veículo e pedir para todo mundo mostrar sua passagem devidamente carimbada. Mas desde que eu voltei a morar em Roma, devo ter visto os fiscais trabalhando entre dez e no máximo quinze vezes, no total.
Em três anos. E eu pego ônibus todos os dias.
Claro que esse sistema é um convite ao não pagamento da passagem, já que italianos também acham que levar vantagem em tudo não é uma má idéia, e já que o serviço deixa mesmo a desejar.
Principalmente no metrô. Numa cidade tão grande, somente DUAS linhas, A e B, são realmente uma piada. Finalmente, depois de anos, está para ficar pronta a linha C , que vai alcançar algumas áreas da periferia. O problema é que toda vez que a prefeitura tentou construir mais linhas ou estações, as obras mal começavam e já tinham que ser interrompidas, porque debaixo da cidade não paravam de surgir ruinas romanas inestimáveis etcetera e tal. Ninguém mandou ser a Cidade Eterna.


Escrito por Homera Cristalli às 17h01
[ ] [ envie esta mensagem ]



Desculpe o transtorno

Hoje foi, teoricamente, o último dia em que a cidade foi colocada em “estado de emergência” devido ao que está acontecendo no Vaticano. Mas desta vez deu para perceber que a organização foi montada às pressas, ou que os cidadãos estão menos dispostos a tolerar mais uma mudança em suas rotinas, porque diferentemente das semanas passadas notei uma certa irritação no ar.
A começar pelo motorista do bonde (em Roma funcionam sete linhas de bonde) que anunciou no microfone que “na próxima parada desce todo mundo, o fim da linha está interditado por causa do Papa” e pelos passageiros que explodiram parte em vaias, parte em risadas e "ahs".
Se bem que, na verdade, a maioria dos usuários do transporte público hoje eram turistas. É que estamos no meio de um feriadão: amanhã, dia 25 de abril é a festa nacional da Libertação, fim da Segunda Guerra Mundial e da ocupação nazista.
Porém hoje quem está occupando as ruas ainda são os fiéis, misturados a todos os que vieram apenas passar seus dias de folga visitando a Capital e se depararam com polícia e guardas de trânsito fechando a passagem.






Escrito por Homera Cristalli às 14h19
[ ] [ envie esta mensagem ]




[ ver mensagens anteriores ]